Quem está envolvido na produção de bebidas envasadas em garrafas de vidro está enfrentando neste início de ano de 2021 uma grande falta de oferta deste produto para cachaça, vinho e similares. Alguns colegas dizem que é um efeito normal da sazonalidade da produção e consumo desse produto, outros dizem que é efeito da falta de insumos para fabricação de vidro e tem ainda aqueles que afirmam ser o resultado de um monopólio velado estabelecido pelos maiores fabricantes de garrafas de vidro do país.

fábrica de garrafas

Produção de Garrafas de Vidro da O-I

A decisão de escrever este artigo aconteceu depois de consultar vários fornecedores como Serra Negra, Acqua Mineira, Premier Pack e outros e não encontrar oferta nem mesmo para garrafas de vidro mais consumidas como a Beer STD 600ML, ainda muito usada no envase de cachaça. A pretensão é relatar aqui o que de mais importante foi lido e ouvido sobre essa baixíssima oferta de garrafas que estamos presenciando em todos os estados de federação neste início de 2021, sem nenhuma pretensão que não a de conhecer um pouco mais deste segmento de produção tão importante na distribuição no varejo de alimentos e bebidas.

Segundo a consultora de mercado Neogrid, a falta de insumos para a indústria chegou a 12,49% em janeiro deste ano, apenas 0,08 ponto percentual abaixo do pico da pandemia, quando chegou a 12,57 em maio de 2020. Isso aconteceu por conta da paralisação das atividades de diversas indústrias no ano passado por causa da pandemia do coronavírus, quando grandes contingentes de trabalhadores foram colocados em férias coletivas para se evitar o avanço da doença – pouco se sabia sobre os impactos dela e como conciliar a produção com segurança.

A indústria não consegue embalar e nem produzir produtos e, com isso, atrasa produção e entrega”, explica Robson Munhoz, CCO da Neogrid.

Os quatro maiores fabricantes de garrafas no país são:

1 – Saint-Gobain, sede em São Paulo, com sua divisão Verallia produz garrafas de vidros e similares desde 2.000 e tem como característica inovadora oferecer cores e formas diversas para tornar único cada produto e marca. São três fábricas no Brasil, de Campo Bom – RS, de Porto Ferreira – SP e de Jacutinga – MG e um total de 32 plantas no mundo, 11 países. Especialistas em design, produção e reciclagem de embalagens de vidro, oferecem soluções saudáveis, estéticas e sustentáveis para 10.000 empresas em todo o mundo. Asseguram que vidro de coleta usado é 51,6% e uso de resíduo interno reciclado é de 60%.

Garrafas Verallia

2 – Premier Park, com 3 unidades, uma em Santana do Parnaíba – SP, outra em Uberlândia – MG e a outra em Recife – PE. Produzem uma enormidade de estilos de garrafas para bebidas e algumas dedicadas exclusivamente a cachaça como a “cachaça 503” e outras dedicadas exclusivamente ao cliente como a 12 anos da Valle Verde, mostradas abaixo. lidera a produção de garrafas premium, com o conceito de fornecimento 360º (O Supplier 360 é uma solução de integração, seleção e monitoramento de fornecedores que acelera a tomada de decisões enquanto reduz custos e riscos) e exporta e atua nos segmentos de alimentos, bebidas, cosméticos e perfumaria e tem como sócio proprietário Renato Garuti e a socia Carolina Sultanum. O vídeo deste link trás muita informação. Contato em SP (11) 4705-9610).

3 – Owens Illinois, sediada em Perrysburg, Ohio, EUA, maior fabricante mundial de embalagens de vidro, emprega mais de 26.500 colaboradores em 78 fábricas distribuídas por 23 países. A O-I oferece soluções de embalagens de vidro seguras, sustentáveis, puras, icônicas e que constroem marcas para um mercado global crescente. A Owens Illinois é hoje a maior compradora de caco de vidro no Brasil e sua utilização representa cerca de 30% da produção. Prevê crescimento de 3% do faturamento no Brasil, frente a R$ 1,8 bilhão em 2015, a despeito da crise econômica que enfrenta o país. Foco em inovação, iniciativas de controle de custos e exposição a segmentos que foram menos afetados pelo turbulento cenário macroeconômico, como bebidas e alimentos, contribuem para a expectativa otimista, disse ao Valor o presidente da companhia no Brasil, Rildo Lima. Ao mesmo tempo, a experiência do executivo como vice-presidente global de inovação da companhia e a magnitude do mercado interno vão fazendo do Brasil uma plataforma mundial de lançamentos. Para garantir a liderança na apresentação de novos produtos – as tecnologias da multinacional ficam disponíveis para todos os países ao mesmo tempo -, a operação brasileira investiu muito nos últimos anos em projetos de inovação e modernização do parque fabril. No Brasil, são três fábricas, em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE), além de uma unidade de mineração em Descalvado (SP). E duas delas, a paulista e a pernambucana, estão no grupo das cinco principais da companhia no mundo.

Dona de mais de 50% do mercado doméstico de embalagens, a Owens-Illinois concorre globalmente com a Verallia, que também tem operação no país.
A Owens Illinois (O-I), recentemente deu início às operações de sua fábrica em Vitória de Santo Antão, em Pernambuco. A retomada permitiu a criação de pelo menos 100 novos postos de trabalho diretos na região, sendo que mais da metade foi assumido por ex-funcionários da empresa. A produção de embalagens na unidade havia sido desativada em março de 2016 e desde então permaneciam funcionando no local apenas os serviços de decoração e logística. Em 2018, a companhia anunciou a reativação da planta com o objetivo de expandir sua capacidade nacional.

garrafas especiais O-I

Garrafas da O-I unidade Nordeste

4 – Ambev Vidros, fábrica nacional construída em 2008 na cidade do Rio de Janeiro, com um aporte de R$ 200 milhões. A unidade funciona em uma área de 2.400.000 metros quadrados. Nela, trabalham mais de 500 dos 32.000 funcionários da companhia no país (dados de 2016). Em média, 65% da matéria-prima usada na fabricação de novas garrafas por toda a empresa provêm de reciclagem. Na Ambev Vidros, seis de cada dez são feitas a partir de outras garrafas. Com o processo, a fabricante calcula que deixa de consumir 75.000 toneladas de material virgem por ano – o equivalente a 300 milhões de garrafa (dados de 2016).

As garrafas usadas no processo de reuso são as de vidro retornáveis de 600 ml e de 1 litro. A Ambev Vidros fabrica também as minis retornáveis, como são chamadas as garrafinhas de vidro de 300 ml. Além dos vasilhames retornáveis, a unidade também produz embalagens de vidro long neck.

A Ambev afirma que estão constantemente procurando maneiras de aumentar o material reciclado em suas embalagens e aumentar as taxas de reciclagem em todo o mundo através da recuperação e reutilização de vidro, alumínio e pet, o que denominam de embalagem circular.

Pelo exposto acima é fácil perceber que, de fato, não são muitos os fornecedores de garrafas, o que leva naturalmente a um monopólio de mercado negociado entre eles ou não. Na verdade, são grandes players internacionais a procura de mercado e de mão de obra barata em nosso país, o que não é condenável, mas é muito provável que, com a crise de insumos causada pela pandemia, aliada à não redução de demanda do setor de alimentos e bebidas durante esta crise, os pequenos e médios consumidores de garrafas de vidros e derivados foram deixados de lado para garantir o atendimento dos grandes contratos do setor nacional e, em especial, o internacional com alta valorização do dólar dos últimos anos e maior ainda na pandemia.

A Ambev, também um player internacional, mas de origem nacional, ajuda explicar o exposto acima quando resolve instalar antes da pandemia sua própria fábrica de garrafas de vidro no estado do Rio de Janeiro. Quando sai de sua especialidade, que é fazer e comercializar cerveja no mundo todo, e parte para fabricar suas próprias garrafas aqui no Brasil, um negócio completamente diferente e muito adverso frente as leis ambientais que vem surgindo no país. É muito provável que esta iniciativa se deve a instabilidade da oferta deste grandes fornecedores até mesmo para ela, a Ambev, um grande consumidor que, neste caso, tem o pecado de ser grande demais, o que pode ser um mal tão grande como ser pequeno demais, como a maioria dos produtores de cachaça de alambique, que dependem na sua maioria de revendedores, geralmente localizados em Minas ou São Paulo.

Só nos resta acreditar que esta crise de oferta de garrafas de vidro tenha fim nos próximos meses, como vem apregoando alguns colegas e revendedores, mesmo sabendo que nenhum de nossos entrevistados, colegas ou fornecedores, tiveram a coragem de firmar uma data para o fim desta crise. Feliz são aqueles produtores de cachaça e similares que zelosamente tem um bom estoque e já aprenderam a conviver com a sazonalidade de preços e oferta deste tão importante produto, a garrafa de vidro.


Empório Cachaça Canela-de-ema

Loja virtual, e-commerce, da empresa Agronegócios Fazenda Lagoa Seca do Brasil LTDA que comercializa, no atacado e varejo, cachaça artesanal, orgânica e produtos afins. Todos os produtos são devidamente escolhidos com base nos melhores resultados dos testes de qualidade conforme critérios do MAPA.

0 comentários

Olá!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

pt_BRPortuguese
%d blogueiros gostam disto: