A Cachaça orgânica recebe tratamentos diferenciados desde o preparo da terra para o plantio de sua matéria prima, a cana-de-açúcar, até sua destilação, de maneira a proporcionar qualidade superior ao produto atendendo critérios e padrões de sustentabilidade.

Preparo da Terra e Plantio

O primeiro passo é definir um local adequado para o plantio e assegurar que o terreno da futura lavoura, mesmo tendo pouca inclinação, deve estar preparado para reter o máximo das águas das chuvas, ou seja, fazer curvas de nível, se for o caso, usando técnica topográfica.  Os talhões de cana são subdivididos quanto à topografia e homogeneidade do solo e apresentam, em média, entre 5 e 20 hectares. O conceito de sustentabilidade se aplica a toda a propriedade, seus funcionários, reservas verdes e preservação ambiental.

 

Para evitar surpresas desagradáveis, é recomendável que o futuro produtor de cana-de-açúcar orgânica contrate uma entidade credenciada pelo MAPA, com a finalidade de atestar, com base na lei 10.831 de 23 de Dezembro de 2003 da agricultura orgânica, se não há nenhum impedimento legal para o local escolhido ser usado para o cultivo orgânico e caso tenha será informada a ação corretiva.

Existe ainda a possibilidade de fazer conversão para orgânica de uma lavoura já em produção, mas assim como na lavoura nova, faz se necessário o acompanhamento de uma certificadora, sendo que deve ser cumprido um prazo minimo de conversão estabelecido pelo MAPA.

No preparo, a agressão ao solo deve ser a mínima possível, princípio da sustentabilidade dos sistemas, mas se o local escolhido estiver muito compactado é aconselhável revolver o solo o mais profundo possível, fazer em seguida uma análise do solo e devida correção e adubação, e depois, fazer o plantio de alguma adubação verde, como Crotalária, Mucuna Preta, Feijão Gaudu, etc. Essa adubação verde vai assegurar a fixação do nitrogênio ao solo, além de oferecer grande quantidade de material orgânico.

Uma vez incorporada a adubação verde ao solo e aguardar seis meses, é hora de fazer o plantio, geralmente no fim do período chuvoso, com adubação orgânica de plantio. A escolha da variedade ou variedades para plantio deve levar em conta as condições do solo e do clima local, a experiência da agricultura do entorno, sem perder de vista o rendimento favorável na colheita, moagem e produção da cachaça.

Os Micronutrientes mais importante na produção da cana-de-açúcar são o Boro (B), Cloro (Cl), Cobre (Cu), Manganês (Mn), Molobdênio (Mo), Ferro (Fe), Cobalto (Cb), Zinco (Zn) e Os Macronutrientes primários são o Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K) e os macronutrientes secundários são Cálcio (Ca), Magnézio (Mg), Enxofre (S)

Os macronutrientes são absorvidos em quantidades maiores que os micronutrientes, e isso não significa que os micronutrientes sejam menos importantes. A falta ou excesso de desses ingredientes, ou um pequeno excesso, altera completamente a saúde da planta. O grau de interferência dependerá da disponibilidade do nutriente no solo e da sensibilidade da planta para cada um destes nutrientes.

O plantio pode ser feito pelo método convencional com mudas de um canavial novo ou com  MPB, Mudas Pré-Brotadas, desde que, seja qual for o tipo de muda escolhida, estejam isentas de contaminantes, agrotóxicos ou adubos não permitidos por lei. Há dois  sistema de plantio muito usados, de Ano-e-Meio, com plantio no inicio do ano, fim das chuvas e o sistema de Ano, com plantio no fim do ano, inicio das chuvas. A escolha do sistema vai depender da conjugação de mão de obra disponível e da produtividade. 

Todas as variedades usadas na produção de álcool e açúcar são também adequadas para cachaça, bem como toda variedade usada no plantio convencional poderão ser usadas no cultivo orgânico, o importante é definir a variedade a ser plantada em um dado local com base técnica.

Tem ainda o Plantio de inverno com o uso da torta de filtro que contém cerca de 70 a 80% de umidade, aplicada no sulco de plantio, é possível plantar a cana-de-açúcar mesmo no período de estiagem. A torta fornece a umidade necessária para a brotação. Se ainda for feita uma fertirrigação com vinhaça, ou mesmo irrigação, o plantio da cana pode ocorrer praticamente o ano todo.

O espaçamento adequado contribui para o aumento da produção, pois interfere favoravelmente na disponibilização de recursos como luz, água e temperatura, variáveis consideradas determinantes na produtividade.  O espaçamento do plantio deve variar de acordo com a fertilidade do terreno e as características da variedade recomendada. O espaçamento entre sulcos pode  variar de um 1,0 a 1,8 metros.

A profundidade do sulco deve variar entre 20 e 30 centímetros; em solos arenosos, espaçamentos mais estreitos com 1,0 ou 1,20 metro são mais indicados, pois permitem que o fechamento da entrelinha ocorra mais rapidamente, facilitando o controle do mato. Se a colheita for mecanizada, o espaçamento deve ser de ao menos 1,5 metro para evitar o pisoteamento e a compactação das linhas de cana pelas rodas das máquinas. Em solos férteis, o espaçamento mais comum é de 1,5 metro. Para as MPB está sendo praticado estas mesmas distâncias entre linhas e entre mudas de até 0,7m,e já em teste 1,0 m.

 

Dois ou três meses depois do plantio faz se necessário uma capina para eliminar as plantas espontâneas e, também a leguminosa plantada nas entrelinhas, minimizado a competição por nutrientes. Tanto o mato como a leguminosa deverão permanecer no solo para se decomporem e serem incorporados ao solo, servindo ainda de proteção do solo contra ação do sol. Quinze dias depois da capina deverá ser feita a adubação de cobertura aproveitando os subprodutos, bagaço e vinhoto, obtidos no processo de produção da cachaça.

Tipos de Solo e Clima

O solo serve como suporte físico para as plantas, fonte de água e nutrientes. É um sistema composto por uma parte sólida e outra porosa, a primeira responde pelo alimento e o segundo pela retenção de água, que juntos irão garantir o cultivo. A profundidade dessa camada porosa é que define a profundidade de um solo, limitada na parte inferior por uma rocha, por uma camada compactada ou mesmo por um lençol freático.

A cana é uma cultura rústica e resistente, desenvolvendo bem em quase todos os tipos de solos brasileiros, entretanto, como tem um sistema radicular relativamente profundo, não é aconselhável o seu plantio em solos com profundidade inferior a um metro independente de sua textura. Para o cultivo orgânico em solos não preparados, com aração e gradagem, recomenda se o solos médios, os muito argilosos dificultam abertura dos sulcos, e os muito arenosos não reterão água.

O preparo do solo para o plantio orgânico é fundamental na sustentabilidade, princípio fundamental dessa agricultura. O caminho mais fácil é incorporar grandes quantidades de matéria orgânica que ao serem decompostos pela ação dos microrganismos do solo irão proporcionar benefícios para o cultivo como: Controle dos nutrientes, retenção de água, facilidade de penetração das raízes, maior fotossíntese, aumenta concentração de fósforo,  maior resistência a pragas e doenças.

A matéria orgânica pode ser incorporada a partir do plantio de leguminosas e plantas espontâneas, cortadas após sua floração; bagaço da cana e vinhoto, resíduo do destilado; compostos orgânicos feito com esterco e bagaço triturado, com adições de calcário e cinzas da fornalha. O importante é que, seja qual for a origem desse material orgânico, ele deve estar isentos de contaminantes e estar de acordo com as exigências do MAPA para orgânicos.

A cana se desenvolve bem em quase todas as regiões do Brasil, entretanto as maiores produtividades são obtidas em regiões mais quentes, com temperaturas próximas de 25 a 26 °C. O volume de chuva ideal é acima de 1.200 mm/ano, se for inferior recomenda se o uso de irrigação adequada. 

Colheita

A colheita deve ser feita de forma a mais natural possível, sem queimar a palha, como as vezes se faz na cultura convencional, de modo a preservar os colmos da cana e sua microbiótica, mantendo a integridade do solo e do ecossistema local. O carregamento e transporte para a moenda não deve ultrapassar 24h de maneira que o caldo gerado seja  limpo e sem alterações.

O momento da colheita é definido com uso do brixímetro ou sacarímetro ou Refratômetro mais uma análise experiente do canavial. Com a maturidade a sacarose da cana aumenta e quando estiver com 20 a 22 °Brix (1°Bx equivale a 1% de açúcar) é hora de promover a colheita. A amostra de caldo para medir o nível de sacarose deve ser extraída de canas colhidas aleatoriamente, mas de maneira representar o canavial.

 

 

Adão Vieira de Faria, Eduardo Junqueira, Felipe Jorge de Faria

 

 

 


Empório Cachaça Canela-de-ema

Loja virtual, e-commerce, da empresa Agronegócios Fazenda Lagoa Seca do Brasil LTDA que comercializa, no atacado e varejo, cachaça de qualidade produzida artesanalmente em alambique, além de produtos afins.

Olá!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese
%d blogueiros gostam disto: